MARCELO MOUTINHO

Escritor e jornalista, Marcelo Moutinho nasceu em Madureira, subúrbio do Rio de Janeiro, em 1972. Conquistou os prêmios Jabuti, com A lua na caixa d’água (Malê, 2021), e Biblioteca Nacional, com Ferrugem (Record, 2017). É autor, também,  de A palavra ausente (Malê, 2022), , Rua de dentro (Record, 2020), Na dobra do dia (Rocco, 2015), Somos todos iguais nesta noite (Rocco, 2006), Memória dos barcos (7Letras, 2001), além dos infantis Mila, a gata preta (Oficina Raquel, 2022) e A menina que perdeu as cores (Pallas, 2013).

Moutinho também organizou as antologias Contos de Axé – 18 histórias inspiradas nos arquétipos dos orixás (Malê, 2021), Conversas de botequim – 20 contos inspirados em canções de Noel Rosa (com Henrique Rodrigues, Mórula, 2017), O meu lugar (com Luiz Antonio Simas, Mórula, 2015), Dicionário Amoroso da Língua Portuguesa (Casa da Palavra, 2009), Contos sobre tela (Pinakotheke, 2005) e Prosas cariocas – Uma nova cartografia do Rio (com Flávio Izhaki, Casa da Palavra, 2004), das quais é co-autor, a seleta de ensaios Canções do Rio – A cidade em letra e música (Casa da Palavra, 2010), e o livro Bravo! Especial Literatura e Futebol (Abril, 2010).

Participou das antologias Vivo muito vivo – 15 contos inspirados nas canções de Caetano Veloso (Jose Olympio, 2022) , Je suis encore favela (Anacaona, França, 2018), The Book of Rio: a City in Short Stories (Comma Press, Inglaterra, 2014), Je suis toujours favela (Anacaona, França, 2014), Vou te contar – 20 histórias ao som de Tom Jobim (Rocco, 2014), Der Schwarze Sohn Gottes: 16 Fussballgeschichten aus Brasilien (Assoziation A, Alemanha, 2013), O Livro Branco – 19 contos inspirados em músicas dos Beatles + bônus track (Record, 2012), Escritores escritos (Flanêur, 2010), Como se não houvesse amanhã – 20 contos inspirados em músicas da Legião Urbana (Record, 2010), Dez cariocas (Ferreyra Editor, Argentina, 2009) e 35 segredos para não se chegar a lugar nenhum (Bertrand Brasil, 2008).

Foi curador da mostra de cinema Os melhores filmes do ano, em 2006, 2007 e 2008, no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), do ciclo Geração 00 – A nova prosa carioca, no Sesc-Rio (2004), dos Encontros no subsolo, da Livraria Leonardo da Vinci, e dos debates da campanha Paixão de Ler 2009, realizado pela Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro.

Participou, como escritor e/ou mediador, da Printemps Littéraire Brésilien (França, Bélgica e Portugal) 2017, da XI Quinzena de Literatura do Centro Cultural Banco do Brasil (2015), de duas edições da Flupp Pensa (2014 e 2015), de cinco edições (2007, 2009, 2011, 2017 e 2019) da Bienal do Livro do Rio de Janeiro, da Flip 2009 e da Flipelô 2017, entre outros eventos. Como mediador, atuou também na Balada Literária (São Paulo, 2009), nos ciclos Brasil, futebol e livros (CCBB/RJ, 2010) e Toca livros (Caixa Cultural/RJ, 2011) e nos Encontros de Interrogação, do Itaú Cultural (São Paulo, 2011). Foi jurado de concursos como o Prêmio Sesc, o Prêmio da Biblioteca Nacional, Prêmio Rio de Janeiro do Jovem Autor Fluminense e o Prêmio Rio de Contos.

Além disso, trabalhou por três anos como curador dos Encontros Literários e da campanha Paixão de Ler, eventos promovidos pela Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro.

Integrou o elenco do Pindorama Futebol e Literatura, a seleção brasileira de escritores.

Escreveu matérias, artigos e resenhas para o jornal O Globo, a revista Bravo! e o suplemento literário Ideias(Jornal do Brasil), entre outros veículos.

Foto: Leo Aversa - Crédito obrigatório.